Saiba mais sobre o MD Codes!

Os preenchimentos faciais fazem parte do arsenal do cirurgião plástico para o rejuvenescimento facial há algum tempo. Normalmente, as pacientes começam a notar os primeiros sinais do envelhecimento a partir dos 30 anos, com o aprofundamento de olheiras, bigode chinês e linhas de marionete. Normalmente, quando o paciente apresentava essas queixas, aplicava-se o preenchimento de ácido hialurônico diretamente nessas regiões, a fim de “camuflar”essas depressões. Porém, com o avanço dos estudos sobre o envelhecimento da face, percebemos que estamos na realidade perdendo muito da nossa estrutura e da nossa sustentação, e que essas alterações não são a causa, mas a consequência desse processo.

Entendendo o Processo do Envelhecimento

O processo do envelhecimento então deve ser entendido por camadas, desde a mais profunda até mais superficial. Começamos a sofrer uma absorção óssea no nosso crânio a partir dos 30 anos de idade. Fazendo uma analogia, o nosso suporte ósseo é comparável aos alicerces de uma casa. Portanto, é a primeira camada que precisamos reforçar para que a casa não “desabe”. Um pouco acima disso, temos os compartimentos de gordura da face, tanto profundos como superficiais, que sofrem uma grande perda de volume com o passar dos anos, sofrendo não só uma queda, mas um emagrecimento da face. Mais superficialmente ainda temos a derme, que sofre alterações de textura, elasticidade, hidratação e cor. Entendemos hoje portanto, que não adianta somente fazer um tratamento localizado por exemplo no bigode china; precisamos tratar as causas, avaliando a face como um todo.

Técnica MD Codes – Referência em Preenchimento

A partir desse conhecimento, o cirurgião plástico brasileiro Maurício de Maio desenvolveu a técnica MD Codes, reconhecida mundialmente como referência na aplicação de preenchedores faciais. Através desta técnica, o médico deve avaliar a face completa do paciente, respeitando as suas particularidades, e percebendo aonde deve ser aplicado o produto, levando em conta qual o tipo de preenchedor, profundidade, técnica, e o cuidado com aquela região anatômica. Após essa avaliação, desenhamos um plano de tratamento específico para aquele paciente, considerando qual a sua maior prioridade naquele momento.

É possível, inclusive, realizar o tratamento completo naquele momento, ou dividir o tratamento em etapas, o que pode ser excelente para o planejamento do próprio paciente. É importante ainda perceber que o objetivo do tratamento é somente suavizar aspectos negativos da face (como tirar o olhar cansado, por exemplo), e ressaltar aspectos positivos (deixar a mulher com aspecto mais feminino ou o homem mais masculino, por exemplo).

Esse tratamento não visa transformar a pessoa, muito menos fazer com que ela não se reconheça; o resultado deve ser sutil. Por isso é tão importante a avaliação do médico especialista (registrado na Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica); somente ele vai conseguir alcançar o melhor planejamento para o resultado desejado.